O que fazer se perder a chave do carro: dicas e conselhos

O que fazer se perder a chave do carro: dicas e conselhos

Talvez conheça esta situação. Sai de casa de carro para tratar de um assunto. Depois de estacionar usa a chave remota para trancar as portas do seu veículo. Ao voltar apercebe-se de que já não a tem consigo. Procura em todos os sítios possíveis, mas sem resultado. Diz para si mesmo: “Perdi a chave do meu carro. E agora, o que fazer?” Leia as nossas dicas e conselhos abaixo para saber como resolver a questão.

Tipos de componentes

A chave do carro satisfaz várias funções. Permite trancar e abrir as portas, a tampa do depósito, o porta-luvas e outros locais de armazenamento, bem como destrancar a direção do veículo e o seu bloqueio de partida. Além disso, permite desligar o alarme automóvel, ligar ou desligar airbags, bem como ligar o motor.

Hoje em dia há vários tipos de chaves de ignição distintas. Enquanto em modelos automóveis antigos os componentes apenas dispunham de um palhetão e funcionavam de forma exclusivamente mecânica, com a evolução no mundo automóvel surgiram componentes que combinam o sistema mecânico com um sistema eletrónico ou que são exclusivamente eletrónicos. Componentes que são parcialmente ou completamente eletrónicos dispõem de controlo remoto, alguns modelos atuais são autênticos mini-computadores.

Os tipos de chaves de automóveis existentes são:

  • Do tipo comum. Caracterizam-se por dispor de um palhetão, que após ser introduzido e girado na respetiva fechadura do veículo despoleta a função desejada. É semelhante a outras chaves usadas habitualmente no dia-a-dia, por exemplo, para a porta de casa ou gavetas. 
  • Do tipo canivete. Este tipo dispõe de um palhetão rebatível, que, à semelhança do palhetão da chave comum, despoleta a função desejada depois de introduzido na respetiva fechadura. O palhetão é habitualmente protegido por uma carcaça plástica quando rebatido. Este tipo de componente está normalmente codificado eletronicamente e pode dispor ou não de botões que despoletam diferentes funções remotas, como, por exemplo, destrancar e trancar as portas do automóvel ou desligar o seu alarme.
  • Tipos de componentes
  • Do tipo codificado sem palhetão. Este tipo dispõe de uma codificação eletrónica única. Apresenta habitualmente uma carcaça plástica e dispõe de botões que despoletam diferentes funções remotas no veículo.
  • Do tipo de aproximação (sistemas keyless). Trata-se de um sistema que não dispõe de palhetão e funciona por meio de baixas frequências. Quando o componente é aproximado do veículo, a sua presença é detetada por meio de antenas e o veículo fica ativo, permitindo que se entre e se use as suas funções. O componente é constituído por uma carcaça de plástico e dispõe de botões que despoletam funções remotamente. O arranque do motor de automóveis que têm este sistema é feito por meio de um botão.
  • Do tipo inteligente (smart key). Estas chaves são semelhantes às do tipo keyless, mas têm um ecrã tátil e permitem mais funções, por exemplo, dar um comando de estacionamento automático ao carro.

O que fazer quando perde a chave do carro ou esta é danificada?

A perda da chave do carro é um fenómeno comum. Se dispuser de uma apólice de seguro que cobre a sua perda ou furto, bem como o furto do automóvel, deve informar atempadamente a seguradora. Poderá, neste caso, receber um reembolso de dinheiro relativo à substituição do componente. Deve precaver-se do furto do veículo. Se desconfiar que o componente foi extraviado convém fazer queixa à polícia. 

Obviamente, recorrer à chave suplente é a solução mais fácil e conveniente se perdeu a chave principal ou se esta estiver trancada dentro do veículo. Nesse sentido, a suplente deve estar guardada num local seguro, ao qual se possa aceder com rapidez e facilidade em caso de necessidade.

Se dispuser de um componente suplente, convém deslocar o veículo para um local seguro, por exemplo, uma garagem. Assim, pode garantir que terceiros não acedem ao automóvel até que o assunto tenha sido completamente resolvido. A deslocação do veículo por meio de reboque é uma opção a considerar.

Se a chave eletrónica tiver sido danificada devido ao contacto com água, por vezes uma abertura e secagem cuidada do componente pode voltar a restaurar a sua função. Determinados concessionários oferecem serviços de arranjo. Em último caso, apenas resta substituir o componente.

Chave trancada no interior do veículo

Chave trancada no interior do veículo

Reaver uma chave que esteja no interior do veículo sem recorrer à suplente é habitualmente mais dispendioso. Pode tentar abrir o carro por conta própria,  mas isto não é aconselhável, porque corre o risco de provocar danos na carroçaria, por exemplo, um empenamento da porta ou riscos na pintura. A alternativa, por norma menos dispendiosa e mais rápida, é contactar uma oficina especializada na abertura de veículos. Terá de comprovar que é proprietário do veículo.

Outra possibilidade, mas mais dispendiosa e demorada, é entrar em contacto com o seu concessionário, para que seja feito um componente suplente. Neste caso, terá também de comprovar que é o legítimo proprietário do veículo e possivelmente transmitir o código único associado ao componente. Para descobrir o código da chave codificada, basta consultar o respetivo cartão que é habitualmente dado ao proprietário durante a compra do veículo.

Substituição de chaves

Quando a chave do carro está definitivamente perdida nada mais resta do que substituí-la. O grau de dificuldade deste processo e os seus preços variam consoante o tipo do componente.

  • Substituição de um componente do tipo comum. Este género de componente é normalmente copiável por um serviço de chaves se ainda dispuser do componente suplente. Uma cópia não acarreta grandes custos, deve custar entre 10 a 20 €. Se não dispuser da substituta terá de contactar o concessionário ou o fabricante automóvel, o que poderá tornar o processo mais dispendioso, em particular se for necessário substituir fechaduras.
  • Substituição de uma chave do tipo eletrónico. Componentes deste tipo são bastante comuns hoje em dia e devido à sua complexidade torna-se necessário entrar em contacto com o fabricante automóvel. A pedido, este pode fazer um substituto individual para o veículo em questão. O processo passa pela eliminação do código relativo à chave original, pela reprogramação do veículo e da chave nova, bem como, caso esteja na sua posse, do componente suplente. O processo pode custar a partir de 150 € e ficar mais dispendioso se também for necessário substituir as fechaduras do automóvel.

Comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *