Fuga de óleo no carro: causas, consequências e resolução do problema

Fuga de óleo no carro: causas, consequências e resolução do problema

O óleo do motor desempenha funções extremamente importantes. O mesmo cria um filme na superfície das peças para evitar o seu desgaste, retira o calor dos elementos móveis e protege-os contra a corrosão. Além disso, limpa o motor. A falta de lubrificação é extremamente prejudicial para o motor. Neste artigo, iremos abordar o motivo pelo qual as fugas ocorrem, explicar-lhe onde procurar pelas avarias e se é seguro conduzir um carro com uma fuga de óleo.

Porque é que o meu carro está com fugas de óleo

 Os motivos mais comuns de fugas de óleo no carro são: 

Juntas gastas

Vedantes, juntas, anéis vedantes de borracha (O-rings), que com o passar do tempo perdem a sua resistência e tornam-se menos elásticos. Como resultado disso, o carro começa a ter fugas de óleo na área da superfície de ajuste, isolado por esses mesmos elementos.

Porque é que o meu carro está com fugas de óleo

Solução:

  • Inspecione a tampa da válvula visualmente. A existência de manchas de lubrificante na área de contacto com a cabeça do cilindro indicam, que o vedante está gasto, por isso será necessário substituí-lo.
  • Verifique a junção entre o bloco motor e a cabeça do cilindro: uma fuga neste local poderá ocorrer, devido ao sobreaquecimento do motor, o que leva a deformação do bloco motor e da cabeça do cilindro e à respetiva avaria do vedante.
  • Desparafuse a tampa do depósito do líquido de refrigeração e verifique se existe algum vestígio de lubrificante no mesmo. A sua presença também indica a perda de estanquidade na junção entre o bloco motor e a cabeça do cilindro.
  • Inspecione o tubo de enchimento do óleo. Se verificar existência de espuma branca sobre o mesmo, isso será um sinal de que o líquido de refrigeração estará a entrar no sistema de lubrificação.
  • Substitua a cabeça do cilindro. Para tal, dirija-se com o seu carro a uma oficina, uma vez que será pouco provável, que a reparação se irá limitar apenas na instalação de um vedante novo. Também será necessário moer as superfícies de ajuste.
  • Verifique o suporte do distribuidor de ignição. Se detetar uma fuga, substitua o anel vedante ou o elemento vedante do óleo (O-ring).
  • Inspecione o filtro de óleo. Se verificar fugas de óleo sob as suas juntas, tente resolver o problema, apertando a peça com mais esforço. Caso isso não ajude, substitua o componente.
  • Verifique as juntas de óleo da cambota. O seu desgaste pode ser causado por um aumento de pressão de gás no cárter ou erros de instalação. Instale as peças novas. Nota: durante a instalação, terá de desmontar o motor. Por isso, também é aconselhável substituir as juntas de óleo da árvore de cames.

Verifique as juntas de óleo da cambota

Aumento da pressão no sistema

Devido à acumulação de impurezas, a capacidade de produção de secções individuais do sistema de lubrificação é reduzido, o que leva a um aumento da pressão local. Este último também poderá ser o resultado de os componentes de ventilação do cárter estarem entupidos, o que leva os gases de escape a entrarem no sistema de lubrificação. Como resultado disso, o óleo é espremido entre os vedantes e as juntas. Por vezes, o problema é causado por um excesso de lubrificante e pela sua elevada viscosidade.

Solução:

  • Meça a pressão no sistema de lubrificação, utilizando um manómetro. Se estiver acima do normal, proceda ao próximo passo.
  • Lembre-se da sua última mudança de óleo. Se desde essa altura, o veículo percorreu aproximadamente 15 000 km, substitua o lubrificante e o filtro de óleo.
  • Assegure-se de que usa o produto com a viscosidade recomendada pelo fabricante. Se estiver acima do normal, a pressão poderá aumentar.
  • Limpe o sistema de lubrificação. Para tal, verta um aditivo especial no tubo de enchimento do óleo, ligue o motor e deixe-o funcionar em ponto morto. Depois disso, escorra o fluido, substitua o filtro e acrescente o óleo novo.
  • Verifique o nível de óleo. Se exceder o nível permitido, retire o excesso utilizando um equipamento especial sob vacum, ou escorra-o para um bujão de escoamento.
  • Remova e inspecione a válvula de descompressão, retirando a sujidade, limpando-a. Verifique se o mecanismo de bloqueio se move livremente. Se estiver gripado, substitua a válvula ou o conjunto todo da bomba.
  • Aqueça o motor até alcançar a temperatura de funcionamento. Retire a tampa do reservatório do óleo e cubra o orifício com a sua mão. Peça a um assistente para pressionar o pedal várias vezes, para aumentar a velocidade do motor à 2000 a 2500 rpm. Se notar um aumento de pressão no sistema ao acelerar o motor, o sistema de ventilação do cárter poderá estar avariado. Dirija-se com o seu automóvel a uma oficina para que seja feito uma reparação. Os especialistas irão limpar os componentes e, caso seja necessário, substituir a válvula PCV e o coletor de óleo.

Verifique o nível de óleo

Erros de instalação

O aperto incorreto dos parafusos e a sequência de aperto podem causar um arqueamento ou rachaduras no vedante. Além disso, a degradação da junta poderá advir da utilização de juntas e adesivos, para ficar a mesma.

Solução:

Substitua as juntas e os vedantes. Tenha em atenção o binário de aperto especificado pelo fabricante. Aparafuse os fixadores de acordo com o plano fornecido no manual de revisão do veículo. Ao instalar as juntas do óleo, utilize as ferramentas específicas.

Danos mecânicos

Pode ser causado pela entrada de objetos estranhos ou ao atingir um obstáculo, ao que o cárter do óleo é extremamente vulnerável.

Danos mecânicos

Solução:

  • Isole a fissura utilizando o método de soldagem fria.
  • Dirija-se com o seu automóvel a uma oficina para que o cárter do óleo seja soldado.
  • Instale um resguardo para o cárter do óleo. Se conduzir frequentemente em todo-o-terreno ou em estradas de má qualidade, este resguardo irá ajudar a evitar muitos problemas.

Fixadores soltos

Alguns fixadores podem soltar-se, devido a condução em estradas de má qualidade e vibrações excessivas no carro, por exemplo, devido ao desgaste dos componentes de suspensão. Frequentemente, o carro possui fugas de óleo sob o mesmo.

Solução:

Aperte as braçadeiras e os fixadores. Substitua-os, caso seja necessário.

O motivo pelo qual uma fuga de óleo no carro é perigosa

Devido a falta de lubrificação, o desgaste das peças correspondentes aumenta. Em primeiro lugar, isso afeta adversamente a condição das juntas da haste da válvula, o que agrava ainda mais o problema. Na verdade, o óleo, já numa quantidade reduzida, entra nos cilindros do motor e queima. A ausência persistente de lubrificação leva à destruição e gripagem da árvore de cames e da cambota, bem como dos pistões do motor. Em alguns casos, as bielas de ligação poderão avariar, devido ao sobreaquecimento.

Além disso, se o seu carro apresentar fugas de óleo, o corpo do propulsor em si, estará sujo e irá acumular-se sujidade no mesmo. Isso compromete o processo da troca de calor, aumenta a carga sobre o motor e leva ao seu sobreaquecimento. O lubrificante também pode acumular-se nas velas de ignição, o que leva a avarias no sistema de ignição. Além disso, o óleo pode deteriorar o isolamento dos fios sob o capô e os elementos da embraiagem. Também pode amolecer os suportes de borracha, as juntas e interagir com as peças de plástico.

O meu carro está com fugas de óleo, posso conduzi-lo?

Se a fuga for grave, por exemplo, quando o cárter do óleo está perfurado, não é permitido conduzir o carro. O melhor será deixar, que o carro seja rebocado. Nos casos de danos menores, poderá tentar repará-los com um produto selante ou através de soldadura a frio. A caminho da oficina, assegure-se de controlar constantemente o nível do lubrificante. Quando estiver demasiado baixo, encha o fluido até ao nível certo para evitar, que as peças do motor sofram de inanição por falta de óleo.

O meu carro está com fugas de óleo, posso conduzi-lo

É possível, que um carro não arranca, devido a fuga de óleo?
Muitas vezes, as fugas de óleo não afetam o arranque do motor. No entanto, em alguns casos, por exemplo, se o carro dispor de um sensor de nível de óleo, e a quantidade tiver alcançado uma quantidade mínima crítica, a unidade de controlo eletrónico poderá impedir o arranque do motor.

Conclusão

A vida útil do motor está diretamente relacionado com o nível de lubrificação. Por isso, todas as fugas são consideradas prejudiciais e perigosas. Devem ser tratadas imediatamente após terem sido detetadas. Afinal de contas, reparar um carro, que está com fugas de óleo é sempre mais económico, do que substituir um motor completo.