Sensor de estacionamento — Como funciona e o que é isso

Sensor de estacionamento — Como funciona e o que é isso

Ao longo das últimas décadas, o objetivo de tornar mais fácil e seguro o estacionamento de automóveis promoveu o desenvolvimento de várias tecnologias park assist. Estes sistemas são bastante comuns hoje em dia, em veículos recentes são normalmente montados de fábrica, veículos sem estes sistemas podem ser reequipados posteriormente.

Os sistemas park assist recorrem a câmaras de vídeo e a sensores de ultrassons ou radar. No caso de sistemas por câmara, são apresentadas imagens do entorno do veículo ao condutor. No caso de sistemas por sensores, são medidas informações relativas à dianteira, à traseira e aos lados do veículo. Com base nestas informações, um dispositivo calcula distâncias entre o veículo e obstáculos e dá indicações acústicas ou visuais ao condutor.

O mais recente desenvolvimento neste campo produziu um assistente automático de estacionamento. Após a ativação do sistema, o condutor apenas tem de controlar os pedais do acelerador e do travão, o sistema, por seu lado, concretiza as manobras computadas e estaciona o veículo.

Os sensores de estacionamento

Usam-se sensores de dois tipos nestes sistemas: de radar e de ultrassons. O seu princípio de funcionamento é semelhante. Em ambos há um dispositivo que emite impulsos de ondas. No momento em que estas colidem com um objeto são refletidas. As ondas refletidas são posteriormente detetadas. O tempo decorrido entre a emissão e a recepção dos impulsos de ondas permite calcular a distância entre o sensor e o objeto.

Qual é o melhor sensor de estacionamento: ultrassons ou radar?

Os sistemas de ultrassons e de radar diferem relativamente ao tipo de ondas usadas para medir distâncias. No caso de dispositivos de ultrassons são geradas ondas sonoras e recorre-se ao efeito piezoelétrico. Em dispositivos de radar são geradas ondas eletromagnéticas.

Os sensores de radar são discretos por serem montados dentro do para-choques, o que pode tornar a sua montagem um pouco mais complicada. São fiáveis no que respeita ao tempo de reação e possíveis interferências. Ainda assim, o escorrimento de água no para-choques durante chuva forte pode provocar falsos avisos.

Sensores de ultrassons são normalmente montados aos pares (dois, quatro ou seis), o que permite aumentar a precisão das medições. Contudo, certas ondas de ultrassons provindas de outras fontes, por exemplo, de martelos ou de travões pneumáticos, podem interferir com o sistema e provocar indicações erradas.

Como usar o sensor de estacionamento?

Como usar o sensor de estacionamento

As informações reunidas por sensores de radar ou de ultrassons são interpretadas por uma unidade de controlo e transmitidas em forma de indicações auditivas ou visuais ao condutor. O condutor usufrui das informações que recebe de maneira a tomar decisões de condução mais acertadas.

Quando se trata de uma sinalização acústica, o condutor é informado relativamente à presença de obstáculos através de apitos de frequência variável. Quanto maior a frequência dos apitos, menor a distância entre o veículo e um obstáculo. Se o som for constante, o obstáculo encontra-se muito próximo.

A sinalização visual com base nestes sensores, por seu lado, é feita por meio de uma interface. Pode, neste caso, tratar-se de um simples painel de LEDs de diferentes cores, em que a cor verde significa que há uma distância suficiente entre o carro e os obstáculos e a cor vermelha o contrário. Além disso, as informações visuais podem ser transmitidas por meio de um ecrã. Neste caso é apresentada, por norma, uma representação gráfica do veículo e das diferentes zonas do entorno.

O sistema de assistência de estacionamento não funciona

Se o sistema parou de apitar, apita constantemente ou dá indicações erradas, há provavelmente um problema. Isto pode ser devido a uma avaria da unidade de controlo ou do dispositivo de aviso sonoro. Além disso, pode haver um fio ou conetor danificado ou um sensor de estacionamento que parou de funcionar. Por vezes, uma batida de pouca intensidade num sensor é suficiente para o danificar ou para o deslocar para uma posição errada. Noutros casos, é possível que o sensor esteja apenas coberto com gelo ou sujidade e que isto afete o seu funcionamento. Uma inspeção visual dos dispositivos pode, bem como a verificação de erros no sistema automóvel, aclarar o problema.

Como testar o sensor de estacionamento original?

A avaria de sensores é frequente nestes sistemas. Se se tratar de um sistema que usa sensores de ultrassons, é possível testar o funcionamento destes por meio de um osciloscópio.

Como regular o sensor de estacionamento?

Alguns sistemas park assist dispõem de uma interface que permite ajustar as suas definições. Isto é típico em veículos cujo sistema está integrado de fábrica. Alguns fabricantes permitem regular a distância a partir da qual o sistema avisa o condutor, diminuir ou aumentar o volume do aviso sonoro, diminuir ou aumentar o tom do aviso sonoro, bem como definir uma redução de volume de outros sistemas de áudio quando o assistente está em funcionamento. Os passos para ajustar as definições encontram-se no manual do utilizador do carro.

O que é que é melhor: uma câmara ou sensores de estacionamento?

O que é que é melhor: uma câmara ou sensores de estacionamento

As imagens captadas por uma câmara de estacionamento são apresentadas ao condutor através de um ecrã. Certos modelos permitem uma transmissão sem fios entre o ecrã e a câmara. A imagem pode ser apresentada num ecrã reequipado, num smartphone ou num ecrã já presente no carro.

Há sistemas de diferentes complexidades. A opção mais simples é a apresentação de imagens em tempo real de determinadas secções do entorno do veículo, normalmente da traseira. A opção mais complexa abrange uma combinação de várias perspetivas, o que torna possível representar todo o entorno do veículo visto de cima.

Os sistemas park assist melhoram a segurança e a comodidade durante o estacionamento independentemente de se tratar de um sistema por sensores ou por câmara. Ainda assim, há diferenças que podem justificar a preferência por um dos sistemas.

A vantagem de uma câmara para com sensores é que é menos limitada relativamente às informações que transmite. Uma câmara consegue apresentar ao condutor obstáculos baixos que sensores de radar ou ultrassons podem, por vezes, não detetar. Por outro lado, sistemas por sensores podem ser mais precisos a dar indicações de distâncias. Sistemas por câmara com má qualidade de imagem podem tornar difícil estimar intervalos.

Quando estes sistemas são reequipados, há diferenças no que respeita ao espaço que as interfaces ocupam no habitáculo. As interfaces acústicas ou visuais de sistemas de sensores ocupam, por norma, menos espaço que um ecrã. Contudo, se o carro já dispuser de um ecrã integrado no tablier, usar um sistema por câmara não ocupa necessariamente mais espaço.

Comentar

Your email address will not be published. Required fields are marked *